sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Hora de reunir a Garde mais uma vez e atacar! (Renata Lima)


Lançado no Brasil pela Intrínseca na semana passada, logo depois do Arquivo Perdido que fala da espetacular traição do número Cinco, "A Vingança dos Sete" de Pittacus Lore (pseudônimo de James Frey) chega prometendo ser o antepenúltimo livro da série Os Legados de Lorien e portanto traz aquela descarga de adrenalina que anuncia o começo do fim.

Nossa Avaliação - 9.0
Reunidos anteriormente, a Garde estava se fortalecendo para a batalha final contra o todo poderoso Setrákus Ra. o líder dos mogadorianos, mas por ignorância, ou inocência, os lorienos não contavam que Setrákus tinha um aliado dentro da própria Garde e ao confiar no número Cinco eles sofrem perdas significativas, inclusive a morte de um dos seus, o número Oito.

Mas nem tudo é desgraça e os lorienos também têm um aliado que sabe como os mogadorianos pensam e trabalham e com essa vantagem tentarão recuperar os amigos capturados,sem saber que eles também estão passando por uma tentativa de lavagem cerebral.

Narrado por diferentes Legados, alguns perdidos no pântano depois da traição do Cinco, outros novamente em fuga depois da invasão mogadoriana ao prédio chique do Nove, uma presa na base mogadoriana em órbita no espaço, o livro tem um dinamismo que faz com que a história passe mais rápido.

Nem todas as perguntas são respondidas, é claro, mas a identidade de Setrákus Ra e seus poderes ficam cada vez mais claros e fica claro que o feitiço que o une a um dos Legados tornará mais difícil sua morte. Mas será que a visão de Ella e Quatro, quando em coma no livro anterior, se tornará realidade? Será que os lorienos e seus novos aliados não serão suficientes para lidar com o poderio bélico e violento dos mogs? 

Nessa jornada de reunir novamente a Garde, cada um deles enfrentará novos desafios e renovará suas forças contra os demônios do universo. A dúvida é: será que todos permanecerão vivos até o fim para ver o triunfo de Lorien? Pelo visto, só teremos as respostas quando o último livro for publicado, em 2016!

Aguardamos ansiosos!

Um dica é que James Frey lançou uma nova série chamada "Endgame - O Chamado" e o primeiro livro da série já foi publicado aqui pela Intrínseca. Ainda não li, mas tenho ouvido muitos elogios ao livro e fiquei bastante curiosa, principalmente depois de saber que mal foi lançado e o livro já teve os direitos para o cinema comprados pela 20th Century Fox e será produzida pelo mesmo produtor da Saga Crepúsculo. Vou tentar encaixar nas primeiras leituras do ano que vem e volto aqui com novidades!


Aguardem!

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Amizade além dos limites... (Lucyclenia)


Nossa Avaliação - 100
"Simplesmente Acontece" lançado esse ano pela editora Novo Conceito, mas já publicado anteriormente no Brasil pela editora Relume Dumará sob o título "Onde Moram os Arco-Íris", é um livro narrado através de  cartas, e-mails, cartões e mensagens, o que já me deixou ansiosa para saber que fim ia dar.

Somos apresentados a Alex e Rosie, quando os dois ainda são bem pequenos, entram juntos no colégio e por doze anos dividem a carteira. Passamos pela adolescência dos dois e pelas incertezas do que fazer na vida adulta após a faculdade. 

Alex e Rosie eram inseparáveis e não se importavam com o que as outras pessoas falavam, e daí se o seu melhor amigo é um garoto? Alex sonhava em ser um grande médico e Rosie em gerenciar um belo hotel. 

Tudo começa a ficar mais interessante quando Alex se muda de Dublin, na Irlanda, para Boston, nos EUA, porque seu pai é transferido no trabalho, deixando Rosie a um oceano inteiro de distância dele. Será que essa amizade sobreviverá a distancia?

Contra todas as expectativas, os dois continuam mantendo contato, Alex entra para a faculdade e Rosie é aceita na mesma faculdade que ele, em Boston. Tudo parecia entrar nos eixos e Alex promete voltar a Dublin para acompanhá-la ao baile de formatura e depois esperar por ela em Boston, mas no do baile, os voos para Dublin estão lotados e Alex fica preso no aeroporto, fazendo com que Rosie tenha que ir ao baile com Brian. E é aí que os desencontros começam.

Por um motivo, Rosie recusa a vaga na Universidade de Boston e precisa adiar seu futuro com grande empreendedora e permanecer na Irlanda. Alex, por outro lado, tem uma ascensão profissional e pessoal. Depois de um tempo, parece que a vida de ambos são tão diferentes e seus caminhos tão opostos que a amizade inicial entre os dois está perdida para sempre.

Mas o destino intervém e a mágica que nós esperamos aos poucos, e depois de muito tempo, simplesmente acontece.

Sou suspeita ao falar deste livro, pois ele é mais um dos meus queridinhos. Estava ansiosa para compartilhar minhas impressões com todos vocês. Não conseguia parar de ler, ficava curiosa com o que ia acontecer, era impossível largar. A história ia fluindo e eu torcia para que algo diferente acontecesse, que o enredo tomasse um rumo diferente do que parecia que ia tomar. E eu ficava naquela expectativa.

O livro é bem real, os desencontros são críveis, principalmente porque lida com o inesperado, com o quão impossível é prever o rumo das nossas vidas. A autora Cecelia Ahern descreveu todas as curvas que podemos encontramos no caminho, fazendo um trabalho magnífico com personagens extremamente cativantes: Alex é bem carinhoso, apaixonante, já Rosie é batalhadora e meiga. E os personagens secundários não ficam para trás e rendem momentos de ternura e crises de risos inesperadas. 

A melhor novidade, eu guardei para o final... A história virou filme! 

Estou mega ansiosa para ver!

Você já viu o filme ou leu o livro? Vem aqui e compartilhe sua opinião conosco!






segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Chegaram os Sullivan de Seattle! (Renata Lima)


Eu sei, eu falei que talvez não fosse seguir a série da Bella Andre depois do último livro dos Sullivan de São Francisco, mas acontece que os livros da Bella Andre são tão leves quanto romances de banca e às vezes eu tenho a necessidade de adicionar uma pitada de romance na minha vida literário, principalmente depois de livros tensos de terror, como os que tenho lido ultimamente!

Foi por causa disso, e porque algumas meninas tinham lido e disseram que era bom, que eu peguei o livro 8.5 da série que serve praticamente para introduzir os Sullivan de Seattle e nos apresentar um casal fofinho que se apaixona à primeira vista, Noah e Colbie.

Nossa Avaliação - 8.0
Colbie pegou o ex na cama com uma colega de trabalho dele e desde então perdeu a fé de que um dia encontrará seu príncipe encantado. Na verdade, ela está em um momento um tanto tumultuado da vida, deixando uma grande empresa de jogos para se dedicar ao seu maior sonho: sua própria loja de lingerie e produtos sensuais chamada Indulgência.

Mesmo passando por esse momento, Colbie decide não furar com suas amigas, sendo uma delas Mia Sullivan, com quem viaja uma vez por ano, ainda que esse ano elas tenham decidido enfrentar o frio de uma estação de esqui. Frio e neve não são as coisas preferidas de Colbie, já que ela mal consegue ficar de pé nos esquis e tem medo de altura. Enquanto as amigas esquiam pela pista difícil, Colbie decide fazer um trajeto mais fácil, mas ao tentar ajudar uma criança, cai na neve e fica atolada com os esquis.

Eis que aparece o Noah para ajudá-la. Ele confessa que já foi instrutor de esqui e se oferece para passar o dia ensinando Colbie a esquiar, passando assim um dia divertido e cheio de segundas intenções. Mas quando chega a noite e Noah a convida para uma bebida, Colbie lembra de tudo que passou com seu ex e se nega a sair com Noah, voltando então para a casa que alugou com as amigas.

O tempo passa e descobrimos que Noah foi colega de quarto na Universidade do irmão de Mia, o detetive particular Rafe Sullivan (protagonista do próximo livro) e pede que Rafe encontre Colbie para ele porque não consegue esquecê-la. O mesmo acontece com Colbie: sem tirar Noah do pensamento, ela comenta com a amiga Mia que se arrependeu de não ter dado seu número de telefone para ele e Mia prontamente sugere que Colbie também procure seu irmão Rafe.

Obviamente a partir de então fica a pergunta no ar: Colbie acreditará no amor à primeira vista de Noah e dará a ele uma chance para provar que é diferente de Rob (seu ex) e pode não só fazê-la feliz, mas amá-la como nenhum outro homem a amou?

O livro tem apenas 100 páginas e, portanto, de uma leitura bem rápida! A história é bonitinha, os protagonistas são fofos, mas eu esperava um final mais bem desenvolvido. No mais, Colbie e Noah ainda aparecerão em outros livros - eu acho -, então, vamos aguardar!

Ah, e eu odeio essa capa!


***********


Nossa Avaliação - 7,0
Rafe Sullivan é um detetive particular sufocado em meio à investigações de casos de infidelidade. Em meio a tantas traições e vítima de um ex-marido descontrolado, Rafe não confia em ninguém. Sua vida passou a distribuir lencinhos às esposas traídas e ele tem odiado cada minuto até que sua insistente irmã Mia o convence a comprar uma casa no lago que um dia pertenceu à sua família e está cheia de boas lembranças da infância.

Tirando umas férias de seu trabalho estressante, Rafe volta à casa do lago e reencontra sua ex-vizinha e amiga de infância Brooke Jansen. Brooke morava com os avós e, depois que os dois faleceram, abandonou uma promissora carreira em Recursos Humanos em Boston para voltar para a casa onde tinha sido tão feliz e fabricar trufas de chocolate.

Quando criança, Brooke tinha uma queda por Rafe, mas ele nunca tinha tido interesse nela até agora, dezoito anos depois de tê-la visto pela última vez. A menina que Brooke um dia foi se transformou em uma mulher sensual e muito carismática. Como sua casa do lago foi detonada pelos antigos donos, Rafe precisa aceitar a proposta de Brooke e ficar na casa dela, no quarto de hóspedes, claro.

Mas Brooke não é uma mulher tão inocente quanto Rafe imagina e parte dela a proposta que os dois parem de ignorar a tensão sexual entre eles e tenham um quente caso de verão sem compromisso. Eles têm 24h para pensar nos prós e contras da proposta e em todas as implicações que um caso de verão pode trazer.

Para o caso funcionar, os dois precisam fazer algumas concessões: Rafe precisa confiar mais nas pessoas e Brooke precisa deixar de lado a imagem de boa menina e se transformar em uma mulher selvagem, que aguenta o que quer que Rafe tenha para ela.

O livro é fofo, mas não é ótimo, e há muitos problemas de tradução e revisão que acabaram tirando a minha atenção, como, por exemplo, já na dedicatória da autora "não vejo a hora que a vocês conheçam Rafe, Mia, Ian, Adam...". Há sérios problemas de tempo verbal, frases faltando palavras, "saiu de dentro", "subiu para cima", "abrir a porta do chuveiro", "reconquistar de volta" coisas que tenho visto em muitos livros, mas ainda assim me incomodam. Mas a parte gráfica está muito bonita, inclusive a capa!

Como eu disse antes, os romances da Bella Andre são como romances de banca: curtinhos, leves, rápidos de ler e interessantes. Quem gosta de romance, vai ter um prato cheio, se não se incomodar com esses probleminhas editorias! Também não consigo ler o título sem pensar em "Do jeito que você me olha, vai dar namoro", mas a música que deu título ao livro, em inglês, é The Way You Look Tonight, inicialmente cantada por Fred Astaire.


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Zumbis invadem São Paulo e o mundo (Renata Lima)


Se vocês já conhecem um pouquinho o gosto de cada uma das nossas autoras aqui do blog, acho que já sabem que, junto com a Kelly, sou uma das mais sanguinárias. Adoro terror, suspense, sobrenatural, então quando esse livro veio parar na minha mão, fiquei mais do que feliz em começar a leitura, sendo que tinha outro livro de zumbis na lista, o Apocalipse Z do Manel Loureiro. 

Nossa Avaliação - 8.0
A abordagem do Manel Loureiro é clássica: um ataque terrorista a um laboratório governamental russo desencadeou o apocalipse zumbi. A abordagem de Rodrigo de Oliveira em "O Vale dos Mortos" é bem diferente: em 2018 o planeta Terra tem uma experiência que inicialmente parecia perigosa, mas acabou sendo considerada como uma linda oportunidade pelos cientistas: o planeta Absinto passará pela Terra sem colidir com nosso planeta e será um verdadeiro espetáculo para os espectadores do dia 14 de Julho! 

Um tanto alheios ao espetáculo, Ivan, a esposa Estela, e seus dois filhos pequenos, saem de casa em São José dos Campos e vão para o shopping. O que seria um dia de final de semana comum vira um filme de terror quando as pessoas começam a desmaiar na praça de alimentação e quando voltam, alguns minutos depois, são seres de olhos esbranquiçados com sede de sangue que atacam as pessoas que estão tentando ajudar com mordidas.

Ao fugir da praça de alimentação, a família de Ivan percebe que não é só o shopping que está assim, por algum motivo toda o bairro está em caos e, depois de um acidente e muitas outras ameaças, eles se instalam em um outro shopping em obras juntamente com outros sobreviventes. E se você acha que já viu isso em algum lugar, como em "Madrugada dos Mortos" por exemplo, existem semelhanças, claro, mas também muitas diferenças, principalmente na dinâmica do grupo e nas habilidades militares de Ivan.

Narrado em terceira pessoa, o livro é muito bem escrito, com momentos de tensão de arrepiar até o último fio de cabelo. Os protagonistas são inteligentes e, claro, além dos antagonistas zumbis também tem o carinha que quer tirar a liderança do Ivan, mas de certa forma existe uma identificação até com o mais chato dos personagens. 

Não conheço muito de São Paulo, mas o passeio pelas ruas no resgate dos sobreviventes é muito interessante, sempre falando sobre marcos da cidade, então quem mora nesses lugares deve ter se sentido praticamente dentro do livro!

A única coisa que me incomodou no livro, para dizer a verdade, foi o fato das pessoas serem um tanto mocinhos demais. Nesse ponto, acho The Walking Dead mais realista. É tão complicado saber quem é bom e quem é mau que o instinto de autopreservação não instiga a sair e procurar por sobreviventes, principalmente se você já está com a sua família, mas Ivan tem essa atitude de "vamos salvar os sobreviventes do mundo" que realmente não me convenceu.

O interessante é que há margem para muita coisa ser desenvolvida, não só os perigos zumbis, mas principalmente as conexões humanas que vão se criando quando inúmeros sobreviventes com personalidades diferentes e contrárias se juntam sob um mesmo teto com a perspectiva de sobreviver. Eu imaginava que haveria mais resistência à liderança de Ivan, mas provavelmente na hora do desespero as pessoas só procuram alguém que diga que tudo vai ficar bem.

O gancho para o segundo livro está lá, e o final do livro é muito bom, 

Em termos de edição, não há o que criticar: revisão bem feita, diagramação caprichada, capa interessante! Parabéns para a Faro Editorial! E que venha o "A Batalha dos Mortos"!