quinta-feira, 2 de julho de 2015

Quando o seu passado vem à tona... (Lucyclenia)


Em "Mar da Tranquilidade" de Katja Millay, Nastya Kashnikov tinha 15 anos quando perdeu tudo o que mais amava, perdeu sua identidade e sua voz. Todos os seus sonhos foram destruídos e sua vida mudou drasticamente.

Dois anos e meio depois do acontecido, ela continua a não dirigir uma palavra sequer a ninguém. Para fugir de seu passado horripilante, ela muda de cidade, vai morar com a tia e não quer que ninguém saiba o que houve: nova cidade, novos ares. Porém com o mesmo passado que a persegue, fazendo com que ela não queira fazer novas amizades e muito menos que alguém se apaixone por ela.

Nossa avaliação: 8.0
Josh Bennett perdeu todas as pessoas que amava, todos da cidade sabem a sua história trágica e não se aproximam com medo de serem os próximos da lista. Tudo que ele amava foi sendo retirado dele aos poucos e aos 17 anos ele é sozinho no mundo, exceto por Drew Leightin que, apesar da fama de galinha e de ser completamente idiota, é o melhor amigo de Josh, que passa a ser protegido pela família de Drew. 
Às vezes é mais fácil fingir que não há nada de errado do que encarar o fato de que está tudo errado, mas não podemos fazer nada. 
A primeira impressão é a que fica, né, gente? E assim que Nastya bate os olhos em Josh, ela percebe que ele guarda um segredo, além de ser bem atraente, claro! Por sua vez, Josh também fica muito curioso ao notar quão fria Nastya é e como ela se esconde em suas roupas e nas inúmeras camadas de maquiagem. 

Certa madrugada, Nastya sai para correr e corre tanto que acaba em um lugar desconhecido onde dá de cara com Josh em uma garagem aberta. Notando aquela moça tão diferente, sem maquiagem e sem as roupas pretas, Josh demora para reconhecê-la e Nastya, mesmo sem saber o que a levou até lá, passa a voltar todas as noites e os dois acabam desenvolvendo uma relação estranha porém confortável. 

O livro é escrito em primeira pessoa com capítulos alternados entre Nastya e Josh. Temos a oportunidade de conhecer bem os personagens a cada novo capitulo, e é possível perceber que paira no ar um sentimento de atração e amizade, porém eles não se envolvem como qualquer casal. Eles precisam um do outro, mas não querem depender um do outro. Eles querem mais, mas não querem ser amados. Dá pra entender? Povo complicado, né?

Não espere um romance perfeito, cheio de amor e mimos. Este livro fala de dor, angustias, escolhas, medo, de duas pessoas que precisam ser salvas, não um pelo outro mas eles por eles mesmos. Ambos escondem algo, mas só Nastya foge de seu passado, onde ainda se encontra aprisionada. 

Confesso que em vários momentos eu me irritei com ela e penseu "poxa, Nastya, permita-se ser amada, permita-se amar!" e apesar de ela não querer muita aproximação, Josh é tão carinho e tão gentil que faz de tudo para protegê-la, mesmo às vezes não sabendo como.

A história se arrasta do inicio até quase o final e cheguei até a imaginar que o livro iria acabar e que a autora Katja não iria revelar o passado tão horrível de Nastya! Mas mesmo com todas as tragédias que envolvem os personagens, este é um livro que fala de recomeços e de segundas chances! 
O lance dela é fugir. O meu é me esconder.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Tristão e Isolda em terras tupiniquins! (Renata Lima)



Nossa Avaliação - 9.0
No livro "A História do Amor de Fernando e Isaura", Ariano Suassuna faz uma releitura do mito medieval de Tristão e Isolda. Não vou explicar o mito porque para quem não o conhece ter a oportunidade de encontrá-lo pela primeira vez nesse livro e, quem sabe, depois procurar por ele na internet. Aqui, Tristão se chama Fernando e Isolda se chama Isaura.

Fernando mora com seu tio Marcos, que é praticamente um pai para ele. Com muitas tarefas para realizar, Marcos é instruído pelo padre a enviar alguém para se casar em seu lugar com a moça Isaura em outra cidade e trazê-la para seu povoado. Ao cumprir o pedido de seu tio, Fernando não imagina que ele e Isaura já se conhecem e que secretamente a moça nutre por ele um carinho enorme.

Fernando e Isaura se conhecem em outras circunstâncias e os dois se apaixonam sem saber que ela é a moça que está prometida a Marcos e ele é o rapaz enviado para casar no lugar do noivo. Os dois se entregam um ao outro de corpo e alma e fazem promessas de amor eterno e devoção que, pouco tempo depois, descobrem que não poderão cumprir.

Ao voltarem para o povoado, Fernando e Isaura tentam resistir à paixão, mas no fim o amor e a atração entre os dois vencem e eles passam a se encontrar às escondidas sem saber que estão sendo observados por outros funcionários de Marcos. Eventualmente eles são flagrados pelo próprio Marcos que vai ao encontro dos dois armado e com a intenção de matá-los depois de uma denúncia.

Incapaz de matar a esposa e o rapaz que considera como a um filho, Marcos os expulsa da fazenda e Fernando e Isaura passarão por maus bocados, morarão em lugares de reputação duvidosa, precisarão trabalhar duro para sustentar uma vida pobre e sem muita perspectiva.

O amor dos dois sobreviverá a todos esses reveses? Fernando suportará não poder dar à amada Isaura a vida de princesa que ela merece? Isaura continuará amando Fernando, mesmo sabendo que ele ainda está magoado e triste com o romper de laços com aquele a quem considerava um pai?

Um livro muito rápido de se ler, com uma linguagem muito gostosa e que me deixou com vontade de ler e reler todos os livros do Suassuna para resenhar aqui! São só 176 páginas, gente! Vale muito a pena!

Se você já leu algum livro do Suassuna, deixe sua opinião aqui embaixo e indique leituras para a gente!

Até mais!



quinta-feira, 25 de junho de 2015

Porque relembrar às vezes é preciso... (Lucyclenia)

Enfim, chegamos ao fim de mais uma série de abalar os corações: Métrica da Colleen Hoover! Tenho plena convicção de que quem leu os primeiros dois livros desta trilogia, "Métrica" e "Pausa" já resenhados aqui no blog pela Aline, morreu de amores pelo Will (assim como eu) e que ele em muitos momentos arrancou suspiros de todas nós, né?

Nossa avaliação: 100
Para quem ficou a se perguntar nos livros anteriores "o que deu no Will para ele fazer isso ou aquilo?" agora terá a resposta em primeira pessoa, já que agora é a nossa vez de conhecer o verdadeiro Will Cooper!

Will e Lake finalmente estão na tão esperada e desejada lua de mel e, diante do clima bem descontraído, os dois começam a conversar sobre assuntos diversos quando Lake lhe pede pra falar mais do seu passado.
Eu só quero saber tudo sobre você. Já tenho o seu futuro, agora quero conhecer o seu passado.
Will começa então a relatar sua história a partir do fim do seu relacionamento com Vaughn em uma narrativa envolvente que parece que está acontecendo agora, neste exato momento. E, nossa, como eu senti raiva dessa Vaughn! Como uma pessoa pode ser tão egoísta, gente? Ele tinha acabado de perder os pais, precisava de ajuda, de apoio e o que ela fez com ele foi cruel e desumano. Mas, como dizem por aí, há males que vem para o bem.

Seguindo seus relatos, recapitulamos os dois livros anteriores, mas a melhor parte é que, mesmo sabendo o que vai acontecer, as informações extras nos prendem à trama avaliando os acontecimentos com outros olhos, na verdade através dos olhos de Will, e passamos a entender melhor algumas de suas atitudes e posicionamentos.
(...) Não consigo distinguir o que é certo e errado quando estou perto dela porque o errado parece tão certo e o certo, tão errado.
"Essa Garota" é, na realidade, uma retrospectiva de "Métrica", mas dividido entre passado e presente. Para quem acha que não vale a pena ler o livro porque já leu o primeiro, tenha plena certeza de que você está bem enganado, principalmente porque as cenas do presente dos dois são recheadas de surpresas, só lendo mesmo para saber

O último capítulo, junto com o epílogo, nós dão um ponto final mais que satisfatório e nos revelam o porquê do título. Imperdível!
Se eu pegasse todos os poemas românticos, todos os livros, todas as músicas e todos os filmes que já li, escutei ou vi, extraísse os momentos mais empolgantes de cada um e os juntasse de alguma forma, eles não seriam nada em comparação a esse momento.

terça-feira, 23 de junho de 2015

A versão feminina de uma dupla dinâmica de Harlan Coben (Renata Lima)


A primeira impressão que tivemos desse livro foi de que seria um livro engraçado, leve e, claro, cheio de suspense, mistério e reviravoltas. Obviamente, Harlan Coben não nos decepciona nesses quesitos e por fim, "Que Falta Você Me Faz", cumpre o que promete, apesar de ir perdendo o fôlego aos poucos e culminar em um final um tanto rápido.

Nossa Avaliação - 9.0
O livro conta a história da policial Kat Donovan que, por causa da amiga maluquete Stacy, ingressa em um site virtual de encontros já que desde que seu noivado com o jornalista Jeff acabou tudo que ela conseguiu foram relacionamentos breves e apenas de cunho sexual. Ao passar os olhos por fotos de futuros possíveis-namorados, Kat se depara com a foto de seu ex-noivo e, depois de muito ponderar e conversar com a amiga, decide enviar uma mensagem para Jeff com uma música que faz parte da história dos dois.

O que Kat não imagina é que Jeff responda à mensagem de uma forma fria e desinteressada e, apesar de chateada com o tratamento, Kat decide deixá-lo em paz, já que o relacionamento teve um fim bem mal explicado que ainda a deixa triste e abalada só de lembrar. Ela parte então para outros encontros - engraçadíssimos, diga-se de passagem - e tenta seguir a vida e elucidar o assassinato de seu pai, também policial.

O assassino confesso de seu pai está morrendo na cadeia e ao visitá-lo pela última vez no intuito de descobrir quem foi o mandante do crime, Kat descobre que a confissão foi falsa. Ela agora precisa começar praticamente do zero, apesar de acreditar piamente que um grande e famoso mafioso está por trás do assassinato e tudo que ela precisa é recolher as provas antigas e identificar algumas digitais que não foram identificadas à época.

Ao mesmo tempo um outro caso aparece: um jovem procura Kat dizendo que sua mãe está desaparecida. O caso não é da jurisdição de Kat, mas ela fica intrigada com a veracidade das informações do jovem e passa a investigar o caso descobrindo que, apesar de não parecer um crime, já que a mãe dele foi viajar com o namorado, há muita coisa estranha a ser explicada.

O livro tem vários personagens secundários e é narrado em terceira pessoa sob o ponto de vista de vários deles, inclusive dos vilões, o que torna a narração interessante, dinâmica e ágil. Temos também menções ao querido Win, personagem dos livros que compõe a série Myron Bolitar, e, em alguns diálogos notamos que Kat e Stacy têm potencial infinito para serem as versões femininas de Myron e Win com suas tiradas engraçadas, suas conversas "nada a ver" e a veia sarcástica que as duas têm diante de tudo. É interessante notar que Stacy já teve um romance com Win, mas isso não é muito explorado no livro.

Se no começo notamos esse potencial de uma dupla dinâmica de saias, ao longo do livro esse potencial vai se perdendo e Stacy mal aparece do meio para o final. O livro adquire um tom mais sério, mais sombrio e mais investigativo, o que não é de todo ruim, mas deixa a desejar porque as partes Kat-Stacy são super engraçadas.

E como em todos os livros do Harlan Coben, quando você acha que já descobriu tudo, aparece alguém que te dá uma rasteira e diz que você é um John Snow e "não sabe de nada". E de repente uma personagem faz a diferença no livro todo e explica tudo em poucas páginas. Harlan Coben sendo Harlan Coben!

No mais, mais um trabalho caprichado da Arqueiro com pouquíssimos erros de revisão que, muitas vezes, passam batido! 

Corre pra ler!